História da E.G.C.: A E.G.C. Moderna

A E.G.C. nos Dias de Hoje

Simbolo EGC
Simbolo EGC

Após Reuss, a sucessão da liderança da Igreja Gnóstica Católica thelêmica da O.T.O. passou para seu sucessor como Cabeça Externa da Ordem (O.H.O.), Aleister Crowley; cuja ascensão em 1922 restaurou a versão original da Missa Gnóstica. Crowley aparentemente celebrou a Missa Gnóstica algumas vezes em sua Abadia de Thelema em Cefalú, Sicília. Ele também fez um áudio gravando a Missa Gnóstica em algum momento dos anos 30, com uma cantora chamada Dolores Sillarno cantando as falas da Sacerdotisa; mas aparentemente apenas porções dessa gravação sobreviveram.

C. S. Jones
C. S. Jones

Não está claro sequer se Charles Stansfeld Jones (1886 – 1950), que serviu como Grande Mestre X° para a América do Norte tanto sob Reuss como Crowley, celebrou a Missa Gnóstica como parte de suas atividades da O.T.O. Contudo, um de seus membros da Loja Agapé em Vancouver, Columbia Britânica, foi um homem chamado Wilfred T. Smith (1887 – 1957). Smith se mudou para o sul da Califórnia nos anos 20 e em 1930 começou a reunir um grupo de trabalhos da O.T.O. em Hollywood. No ano seguinte, Crowley apontou Smith como Grande Mestre Nacional X° para os Estados Unidos. A Missa Gnóstica foi celebrada todo domingo à noite na Loja Agapé por Smith e a Sacerdotisa Regina Kahl (1891 – 1945) de 1933 até 1942, quando a Loja se mudou para um novo local em Pasadena, California. Jane Wolf (1875–1958), que estudou pessoalmente com Crowley durante os anos 20 em Cefalú, auxiliou Smith e Kahl no desenvolvimento de uma performance padrão para a Missa Gnóstica, e frequentemente atuou como Diaconesa na cerimônia.

Crowley morreu em 1947 e foi sucedido como O.H.O. por Karl Germer (Saturnus, 1885 – 1962). Durante a posse de Germer como O.H.O., o único grupo a realizar regularmente a Missa Gnóstica foi a O.T.O. suíça sob tutela de Hermann Metzger (1919 – 1990), que começou a celebrar a Missa Gnóstica nos anos 50 em seu templo em Stein. Germer morreu em 1962 sem nomear um sucessor. A O.T.O. estava adormecida nos EUA de 1962 a 1969, quando Grady McMurtry (Hymenaeus Alpha, 1918 – 1985), o último oficial nas fileiras da O.T.O. Internacional que permanecia ativo, exerceu poderes de emergência garantidos por ele nos anos 40 por Crowley e assumiu o cargo de “Califa” e O.H.O. da O.T.O. Em julho de 1977, Hymenaeus Alpha e os membros da revivida O.T.O. formalmente celebraram a Missa Gnóstica — a primeira vez nos EUA desde os dias da Loja Agapé.

Diferente de outras organizações rodeadas pela O.T.O., a E.G.C. tem seu próprio ritual publicado, que poderia ser praticado à parte do contexto da estrutura iniciática da O.T.O. A Missa Gnóstica tem seus próprios oficiais. Embora o ritual evoque o uso de sinais de vários graus da O.T.O., os Oficiais não têm uma correlação imediata com os graus da O.T.O. Liber XV também se refere a administração de outros ritos sacramentais como batismo, confirmações, casamentos e ordenação clerical. A E.G.C. poderia, teoricamente, operar independente da O.T.O. Em 1979, sob Hymenaeus Alpha, uma corporação religiosa não–lucrativa independente da O.T.O. foi estabelecida com o nome “Ecclesia Gnostica Catholica”. Essa foi uma bem–intencionada mas breve tentativa de espalhar Thelema a um público maior do que se acreditava que a O.T.O. poderia fazer. A E.G.C. desenvolveu suas próprias políticas e procedimentos para batismos, confirmações e ordenações (que são aludidos no Liber XV), e sua própria hierarquia de Bispos, Sacerdotes, Sacerdotisas, Exorcistas, Noviços e Diáconos, largamente baseado nas tradições da Igreja Romana Católica. Entre o outono de 1984 e o outono de 1985, a E.G.C. independente produziu quatro números de uma publicação chamada Ecclesia Gnostica.

Grady Louis McMurtry
Grady Louis McMurtry

Grady McMurtry morreu em 1985 e, de acordo com sua vontade, seu sucessor foi eleito por votação do Soberano Santuário da Gnose, os membros de IX° da O.T.O. Seu sucessor assumiu o nome mágicko de “Hymenaeus Beta”. Quando Hymenaeus Beta assumiu o cargo, ele percebeu que a divergência entre os caminhos da E.G.C. e da O.T.O. iria no fim das contas ser pouco saudável para o desenvolvimento de Thelema. A O.T.O. requeria o foco e a abertura da estrutura social oferecida pela celebração da Missa Gnóstica, e a E.G.C. requeria a perspectiva e os ensinamentos esotéricos do sistema iniciático da O.T.O. Hymenaeus Beta dissolveu a corporação E.G.C. em 1985 e em 1987 reintegrou a E.G.C. na O.T.O., especificando por estatuto que a E.G.C. deveria ser uma seção da afiliação da O.T.O. considerada “Afiliação Eclesiástica”, que consistiria nos Bispos da E.G.C. Uma vez que se acreditava naquela altura que células da Igreja Gnóstica Católica existiriam fora da O.T.O., provisões foram incluídas no Estatuto que permitiam que Bispos de tais ramos se afiliassem a O.T.O. como membros eclesiásticos sob mútuo reconhecimento.

Os membros eclesiásticos foram autorizados a exercer seus “tradicionais” poderes episcopais com pouca interferência. A nova E.G.C., consistindo nos membros eclesiásticos da O.T.O., publicou quatro números de um periódico chamado Gnostic Gnews entre dezembro de 1988 e setembro de 1989.

Cabeçalho do Gnostic News
Cabeçalho do Gnostic News

Quando a E.G.C. se converteu do Cristianismo para Thelema, ela deixou de ser uma instituição dedicada a administrar sacramentos cristãos. Consequentemente, uma válida sucessão apostólica não tinha mais relevância crítica. A sucessão apostólica tradicional pode ter sido de algum interesse ou valor para a E.G.C. thelêmico como um aspecto histórico de tradições herdadas da Igreja Gnóstica Francesa pré–thelêmica, e uma forma de sucessão simbólica dos grandes sistemas Cristãos, Hebraico e Pagão do passado; de todo modo, para uma igreja com o propósito de representar uma religião Thelêmica, uma sucessão “apostólica” ou sacerdotal do Profeta de Thelema é bem mais relevante, puramente num sentido espiritual e teológico, do que uma sucessão dos apóstolos dos “Pálidos Galileus”.

De todo modo, foi comumente aceito na E.G.C. sob Hymenaeus Alpha, e por um tempo também sob Hymenaeus Beta, que uma sucessão apostólica tradicional válida aumentaria o prestígio da E.G.C. e a ajudaria a ganhar reconhecimento de autoridades civis. Tentativas foram feitas para demonstrar que o próprio Crowley possuía uma sucessão apostólica válida na linha de Vilatte através de Theodor Reuss (ele quase certamente não tinha), e tentativas posteriores foram feitas para fortalecer a sucessão apostólica tradicional da E.G.C. trazendo para dentro dela linhas de sucessão adicional de outras fontes. Alguns membros da O.T.O. foram reconhecidos como Bispos da E.G.C. após receberem consagrações de Bispos fora da E.G.C., e certamente Bispos de outros ramos da Igreja Gnóstica foram reconhecidos como Membros Eclesiásticos da O.T.O. Um número de artigos das várias supostas linhas da sucessão apostólica tradicional da E.G.C. foram publicadas na Gnostic Gnews.

Infelizmente, a ênfase na sucessão apostólica e na semi–autoridade dos Bispos resultou numa erosão do controle central. Passou a ser amplamente acreditado que a sucessão apostólica tradicional, que pode ser passada de um indivíduo para o outro simplesmente com um pousar de mãos, era suficiente para se tornar Bispo da E.G.C. A função prática dos Bispos como administradores da Igreja e fiscalizadores dos ritos estava se tornando ofuscada pela mística da sucessão apostólica, e um número de indivíduos desqualificados foram consagrados “bispos” sem o requisito da notificação ou preparação. Então, ao mesmo tempo, do lado de fora, críticas começaram a criar sérias dúvidas sobre a validade técnica da corrente da sucessão apostólica tradicional na E.G.C. Também, com a Afiliação Eclesiástica limitada a Bispos, o cargo de Sacerdotes, Sacerdotisas e Diáconos como representantes visíveis da E.G.C. era desvalorizado. Alguns Sacerdotes e Sacerdotisas eram ordenados sem precisar de muito mais do que já ter assistido uma Missa Gnóstica. A igreja estava diante de uma crise de identidade e estava em pauta um fundamental recesso de sua estrutura, sua relação com a O.T.O., o papel de seus oficiais e a relevância da sucessão apostólica tradicional e outros resíduos de instituições pré–Thelêmicas.

No outono de 1990, Hymenaeus Beta suspendeu a consagração de Bispos da E.G.C. até que pudessem ser desenvolvidas políticas que estabelecessem qualificações formais para ser Membro Eclesiástico. Isso completou–se no outono de 1991 pela adoção da política que expandiu a definição de Membro Eclesiástico incluindo Sacerdotes, Sacerdotisas e Diáconos, e que requeria que os oficiais ordenados da E.G.C. fossem iniciados em graus específicos na O.T.O. Diáconos precisavam ser pelo menos I° Grau da O.T.O. e portanto membros plenos da Ordem; Sacerdotes e Sacerdotisas precisavam ser iniciados no grau de KEW (Knight of East and West – Cavaleiro do Leste e Oeste, entre o IV° e o V°), o primeiro grau na série da O.T.O. cuja admissão é apenas por convite; e Bispos precisavam ser pelo menos VII°, o que lhes dava poder de iniciar ao grau KEW e portanto consagrar Sacerdotes e Sacerdotisas.

Em 1993, um esboço de um ritual Thelêmico de batismo escrito por Aleister Crowley foi descoberto e foi incorporado no sistema da E.G.C. Em março de 1996, Frater Sabazius X° foi feito Primaz da E.G.C. para os EUA; e essa expansão e progresso seguem até os dias presentes, com Tau Sanguinus sendo feito Primaz da E.G.C. para a Grã–Bretanha e Irlanda do Norte em maio de 2005, e Frater Shiva X° sendo apontado Primaz da E.G.C. para a Austrália em abril de 2006.

Como a asa litúrgica e ministerial da Ordo Templi Orientis, a Igreja Gnóstica Católica continua a desenvolver e evoluir com o crescimento de seus membros, o acréscimo criativo de seus oficiais e a progressiva manifestação da egrégora Thelêmica–Gnóstica. O processo não será sem dificuldade, mas, parafraseando Liber Librae, em testes e problemas está a Força, e por estes meios há um caminho aberto para a Luz.