Albert Karl Theodore Reuss

(1855 – 1923)
Frater Merlin
Frater Superior e Cabeça Externa da Ordem, Xº Ordo Templi Orientis (co-fundador)
Ordem dos Illuminati da Baviera (co-fundador)
Irmandade Hermética da Luz (fundador), de Mons Verità
Patriarca, Église Catholique Gnostique
Soberano Patriarca e Primaz da Igreja Católica Gnóstica
Legado Suíço da Église Gnostique Universelle
XXXIIIº Antigo e Aceito Rito Escocês
 CXVIIIº Antigo  Primitivo Rito de Memphis
XCº Antigo Rito Oriental de Mizraim
XXXIIIº Rito Escocês de Cernau
XCVº Rito de Memphis-Mizraim
XXXIIIº Rito de Swedenborg
Societas Rosicruciana in Anglia
IIIº Ordem Hermética da Aurora Dourada


Theodore Reuss foi um Anglo-Germano ocultista tântrico, utópico socialista, jornalista, cantor, e incentivador da Liberação das Mulheres; e o sucessor de Carl Kellner como cabeça da O.T.O.

Reuss nasceu filho de um estalajadeiro em Augsburg em 28 de Junho de 1855 e.v.. Era um cantor profissional em sua juventude e foi privilegiado ao trabalhar sob as ordens de Richard Wagner, que ele primeiro encontrou, junto com o patrocinador de Wagner, o Rei Ludwig II da Baviera, em 1873. Fez parte no primeiro espetáculo do Parsifal de Wagner em Beirute, em 1882. Mais tarde tornou-se um correspondente jornalístico, e viajou frequentemente como tal à Inglaterra, onde se tornou um Maçom, em 1876. Passou também algum tempo lá como um jornalista e como um cantor de palco sob o nome artístico “Charles Theodore.”

Em 1880, em Munique, participou de uma tentativa para reviver Ordem dos Iluminados da Bavária, de Adam Weishaupt. Em 1885, na Inglaterra, uniu-se à Liga Social Britânica, à qual alguns dizem que se juntou para espionar a filha de Karl Marx para o Serviço Secreto Alemão. Enquanto na Inglaterra, tornou-se amigo de William Wynn Westcott, o Mago Supremo da Societas Rosicruciana in Anglia e um dos fundadores da Ordem Hermética da Aurora Dourada. Westcott concedeu a Reuss uma patente datada de 26 de Julho de 1901 para o Rito Swedenborguiano da Maçonaria e uma carta de autorização datada de 24 de Fevereiro de 1902 para fundar um Alto Conselho da Societas Rosicruciana in Anglia na Alemanha. Gérard Encausse lhe concedeu uma patente datada de 24 de Junho de 1901 o designando Inspetor Especial para a Ordem Martinista na Alemanha. Em 1888, em Berlim, uniu-se com Leopold Engel, de Dresden, Max Rahn e August Weinholz em outro esforço para reviver a Ordem dos Illuminati. Em 1895, começou a discutir a formação da Ordo Templi Orientis com Carl Kellner.

As discussões entre Reuss e Kellner não se conduziram para qualquer resultado positivo na ocasião, supostamente porque Kellner desaprovou as conexões de Reuss com Engel. De acordo com Reuss, sobre sua separação final de Engel em junho de 1902, Kellner o contatou e os dois concordaram em prosseguir o estabelecimento da Ordem dos Templários Orientais, buscando autorizações para operar os vários ritos dos altos graus da Maçonaria. Westcott ajudou Reuss a contatar o estudioso maçônico inglês, John Yarker (1833— 1913). Junto com seus sócios Franz Hartmann e Henry Klein, ele ativou os Ritos Maçônicos de Memphis e Mizraim e um ramo do Rito Escocês na Alemanha com patentes de Yarker. Reuss recebeu de Yarker cartas-patentes como um Grão Inspetor Geral Soberano 33° do Rito Escocês de Cernau, datadas de 24 de setembro de 1902. Na mesma data, Yarker parece ter emitido uma autorização para Reuss, Franz Hartmann e Henry Klein operarem um Santuário Soberano 33°-95° dos Escoceses, ritos de Memphis e Mizraim. O documento original não é existente, mas uma cópia desta autorização foi publicada no jornal de Reuss, “The Oriflamme”, em 1911, que começou sua publicação em 1902. Yarker emitiu uma patente confirmando a autoridade de Reuss para operar os ditos ritos em 1º de julho de 1904; e Reuss publicou uma cópia de uma patente adicional de confirmação datada de 24 de junho de 1905. Reuss e Kellner juntos preparam um breve manifesto para sua Ordem em 1903, que foi publicado no próximo ano em “The Oriflamme”.

Quando Carl Kellner morreu em 1905, a liderança da Academia Maçônica da O.T.O. caiu sobre os ombros de Reuss, e ele incorporou todas as suas outras organizações sob esta bandeira, desenvolvendo os três graus da Academia Maçônica, acessível somente para Maçons, em um sistema iniciático coerente, auto contido, aberto para homens e mulheres. Em Londres (seu local de residência desde janeiro de 1906), ele promulgou uma constituição para esta nova e aumentada O.T.O., em 21 de junho de 1906, e, no próximo mês, se autoproclamou Cabeça Externa da Ordem (O.H.O.). Naquele mesmo ano ele publicou “Lingam-Yoni”, que foi uma tradução alemã da obra “Phallism” de Hargrave Jennings, e emitiu uma autorização para Rudolph Steiner (1861— 1925, que na ocasião era o Secretário Geral do ramo alemão da Sociedade Teosófica), fazendo-lhe Grão-Mestre Delegado de um Capítulo e Grande Conselho subordinado da O.T.O./Memphis/Mizraim chamado Mystica Aeterna em Berlim. Steiner então fundou a Sociedade Antroposófica em 1912, e pôs termo à sua associação com Reuss em 1914.
Em 24 de junho de 1908, Reuss esteve presente na “Conferência Internacional Maçônica e Espiritualista” de Encausse em Paris. Nesta conferência, Reuss emitiu a Encausse uma autorização para estabelecer um “Supremo Grande Conselho Geral dos Ritos Unificados da Antiga e Primitiva Maçonaria para o Grande Oriente da França e seus Territórios em Paris”, e possivelmente recebeu autoridade na Église Catholique Gnostique. Ele também apontou o Dr. Arnold Krumm-Heller (Huiracocha, 1879-1949) como seu representante oficial para a América Latina.

Enquanto morava em Londres, Reuss conheceu pessoalmente Aleister Crowley. Em 1910, ele fez Crowley um VII° da O.T.O. (baseado na prévia posse de Crowley do 33° do Rito Escocês), e em 1912, ele conferiu a Crowley o IX°, apontando-o Grão Mestre Geral Nacional X° para a O.T.O. no Reino Unido da Grã Bretanha e Irlanda por uma patente datada de 1 de junho de 1912. A nomeação de Crowley incluiu autoridade sobre um rito de língua inglesa dos mais baixos graus (maçônicos) da O.T.O. que recebeu o nome de Mysteria Mystica Maxima, ou M∴M∴M∴ Em 1913, Crowley publicou uma Constituição para a M∴M∴M∴ e o Manifesto da M∴M∴M∴, o qual ele subsequentemente redigiu novamente e publicou como Liber LII, o Manifesto da O.T.O. Em 1913, Crowley escreveu o Liber XV, a Missa Gnóstica para a Igreja Gnóstica Católica de Reuss. Crowley também dedicou sua peça enigmática “The Ship” (1913) e uma coleção de poesia, “The Giant’s Thumb” (1915), a Reuss.

Em 1914, no início da Primeira Guerra Mundial, Reuss deixou a Inglaterra e retornou à Alemanha. Trabalhou por um curto período para a Cruz Vermelha em Berlim e, em 1916, mudou-se para a Basiléia, Suíça. Enquanto estava lá, estabeleceu uma “Grande Loja Anacional e Templo Místico” da O.T.O. e a Irmandade Hermética da Luz no Monte Verità, uma comunidade utópica perto de Ascona, fundada em 1900 por Henri Oedenkoven e Ida Hofmann, que funcionava como um centro do “Underground” Progressivo. Em 22 de Janeiro de 1917, Reuss publicou um manifesto para esta Grande Loja Anacional, que se chamou Verità Mystica. Na mesma data, ele publicou uma revisada Constituição da O.T.O. (baseada em grande parte na Constituição de 1913, de Crowley, para a M∴M∴M∴), com uma “Sinopse dos Graus” e um resumo de A Mensagem dos Mestre Therion em anexo. Reuss manteve um “Congresso Anacional para Organizar a Reconstrução de Sociedade em Práticas Linhas Cooperativas” no Monte Verità de 15 a 25 de Agosto de 1917. Este Congresso incluiu leituras das poesias de Crowley (em 22 de Agosto) uma recitação da Missa Gnóstica de Crowley (em 24 de Agosto). Em 24 de Outubro de 1917, Reuss patenteou uma Loja da O.T.O., Libertas et Fraternitas em Zurique. Esta Loja mais tarde se colocou sob a jurisdição maçônica da Grande Loja Suíça Alpina.

Em 1918, Reuss publicou uma tradução da Missa Gnóstica de Crowley para o alemão. Em uma nota no final de sua tradução do Liber XV, ele referiu-se a si mesmo como, simultaneamente, o Patriarca Soberano e Primaz da Igreja Gnóstica Católica, e Embaixador Gnóstico para a Suíça da Église Gnostique Universelle, reconhecendo Jean Bricaud (1881-1934) como Patriarca Soberano daquela igreja. A publicação deste documento pode ser vista como o nascimento da E.G.C. Thelêmica como uma organização independente sob a guarda da O.T.O., com Reuss como seu primeiro Patriarca.

Reuss estava claramente impressionado com Thelema. A Missa Gnóstica de Crowley, que Reuss traduziu para o alemão e recitou em seu Congresso Anacional no Monte Verità, é um ritual explicitamente Thelêmico. Em uma carta não datada para Crowley (recebida em 1917), Reuss relatou excitadamente que ele leu A Mensagem do Mestre Therion em uma assembleia no Monte Verità, e que ele estava traduzindo o Livro da Lei para o alemão. Ele adicionou, “Deixe o novo o encorajar! Nós estamos prontos para agir em sua Obra!”

Reuss deixou o Monte Verità algum tempo antes de novembro de 1918. Em 10 de maio de 1919, emitiu um documento de “Medida de Amizade” a Matthew McBlain Thomson, fundador da desafortunada “Federação Maçônica Americana.” Em 18 de setembro de 1919, Reuss foi reconsiderado por Bricaud, assim recebendo a “Sucessão da Antioquia” e reapontado como “Embaixador Gnóstico” para a Suíça pela Église Gnostique Universelle de Bricaud. Em 1920, Oedenkoven e Hofmann abandonaram o Monte Verità em 1920 para estabelecer uma Segunda colônia no Brasil, e Reuss publicou um documento intitulado O Programa de Construção e os Princípios Guias dos Neo-Cristãos Gnósticos: O.T.O.

Em 17 de Julho de 1920, ele esteve presente no Congresso da “Federação Mundial da Franco Maçonaria Universal” em Zurique, que durou vários dias. Reuss, com o apoio de Bricaud, advogou a adoção da religião da Missa Gnóstica de Crowley como a “religião oficial para todos os membros da Federação Mundial da Franco Maçonaria Universal em posse do 18° do Rito Escocês”. Os esforços de Reuss a estes respeito falharam, e ele deixou o Congresso após o primeiro dia. Em 10 de maio de 1921, Reuss emitiu Patentes do X° para que Charles Stansfeld Jones e Heinrich Tränker trabalhassem como Grãos Mestres para os E.U.A. e Alemanha, respectivamente. Em 30 de Julho de 1921, Reuss emitiu outro documento de “Medida de Relação Amistosa”, desta vez para H. Spencer Lewis, fundador da A.M.O.R.C., organização Rosicruciana baseada em São José, Califórnia. Reuss retornou à Alemanha em setembro de 1921, fixando-se em Munique.
Há alguma razão para acreditar que Reuss sofreu um derrame na primavera de 1920, mas não é totalmente certo. Crowley escreveu a W. T. Smith em março de 1943: “o atual O.H.O., após seu primeiro derrame paralítico, entrou em pânico a respeito do trabalho que estava sendo feito…

Ele apressadamente emitiu diplomas honorários do Sétimo Grau a várias pessoas, algumas das quais não tinham direito a absolutamente nada e algumas das quais eram somente escroques desprezíveis”. Logo após o ter apontado como seu Vice-rei para a Austrália, Crowley parece ter se correspondido com seu estudante Frank Bennett e discutido com este suas dúvidas a respeito da duração da habilidade de Reuss para governar a Ordem eficazmente. Parece que Reuss descobriu a correspondência; ele escreveu a Crowley uma resposta irritada e defensiva em 9 de novembro de 1921, na qual ele pareceu distanciar a si mesmo e a O.T.O. de Thelema, que, como mostrado acima, ele havia previamente abraçado. Crowley respondeu a carta de Reuss em 23 de Novembro de 1921, e declarou em sua carta, “É minha vontade ser o O.H.O. e Frater Superior da Ordem e me valho de sua abdicação — para me proclamar como tal”. Ele assinou a carta como “Baphomet O.H.O.” Não houve resposta de Reuss, mas Crowley narrou em suas Confissões que Reuss “renunciou o posto [de O.H.O.] em 1922 em meu favor.” Contudo, não parece que Crowley esperou a resposta de Reuss para assumir seus trabalhos. Em uma anotação de diário de 27 de Novembro de 1921, Crowley escreveu: “Eu me autoproclamei O.H.O. Frater Superior da Ordem dos Templários Orientais.” Reuss morreu em 28 de Outubro de 1923. Em uma carta a Heinrich Tränker datada de 14 de Fevereiro de 1925, Crowley declarou o seguinte: “Reuss estava muito desequilibrado, e de alguma forma inseguro. Em seus últimos anos ele parece ter perdido completamente o controle, até mesmo acusando o Livro da Lei de ter tendências comunistas, a qual nenhuma declaração poderia ser mais absurda. Embora pareça ter sido em alguma instância correta, no que diz respeito a si, tendo nomeado a si mesmo e Frater Achad, e designando-me em sua última carta como seu sucessor.” Em uma carta a Charles Stansfeld Jones datada de Sol em Capricórnio, Anno XX (Dez. 1924 — Jan. 1925), Crowley disse, “na última carta do O.H.O. para mim, ele me convidou a tornar-se seu sucessor como O.H.O. e Frater Superior”.

A carta de Reuss designando Crowley como seu sucessor e como O.H.O. nunca foi encontrada, mas nenhuma documentação confiável veio a público que indicasse que Reuss alguma vez designou qualquer sucessor alternativo.

As obras de Reuss incluem:

  1. The Matrimonial Question from an Anarchistic Point of View, 1887;
  2. Die Mysterien der Illuminaten, 1894;
  3. Geschichte des Illuminaten-Ordens, 1896;
  4. Was muss man von der Freimauerei wissen?, 1901;
  5. Was ist Okkultismus und wie erlangt man occulte Kräfte?, 1903;
  6. Was muss man von Richard Wagner und seinen Tondramen wissen?, 1903;
  7. Lingam-Yoni; oder die Mysterien des Geschlechts-Kultus, 1906;
  8. Allgemeine Satzungen des Ordens der Orientalischem Templer O.T.O., 1906;
  9. Parsifal und das Enthüllte Grals-Geheimnis, 1914;
  10. Constitution of the Ancient Order of Oriental Templars, O.T.O., Ordo Templi Orientis, with an Introduction and a Synopsis of the Degrees of the O.T.O., 1917;
  11. Die Gnostische Messe, 1920;
  12. Das Aufbau-Programm und die Leitsätze der Gnostischen Neo-Christen, 1920 e
  13. Numerosos artigos publicados em seu periódico “The Oriflamme”, (1902-1914).